DHMed

Tudo que você precisa saber sobre a anestesia geral

O procedimento de anestesia geral serve para sedar uma pessoa de forma que se perde a consciência, a sensibilidade e os reflexos do corpo. Isto é necessário para que as cirurgias possam ser realizadas sem que o paciente sinta dor ou desconfortos durante o procedimento.

Quais são os tipos de anestesia geral?

Anestesia inalatória: O procedimento de anestesia inalatória é uma técnica de agentes anestésicos através da via respiratória. Os agentes anestésicos alcançam a corrente sanguínea após a absorção pelo pulmão, chegando então até o sistema nervoso central, local onde é produzido o efeito desejado.

Anestesia endovenosa: Neste tipo de anestesia o procedimento é realizado através do ato de injetar o medicamento anestésico na veia do paciente. Este procedimento permite uma sedação quase que imediata.

Como é realizado o procedimento?

O procedimento de anestesia geral é dividido em algumas etapas, sendo cada uma delas responsável pela segurança do paciente. São elas:

Pré-medicação: Essa etapa é responsável por administrar uma medicação, que geralmente é um ansiolítico, cujo objetivo é acalmar o paciente para o procedimento.

Indução: A fase de indução é a etapa onde os agentes anestésicos entram em ação. Nesta fase, os medicamentos são aplicados na veia do paciente, logo o paciente perde a consciência alcançando então um estado que é conhecido popularmente de coma induzido. Nesta fase, o paciente apesar de estar inconsciente, pode sentir dor, sendo necessário aprofundar ainda mais a anestesia para que a cirurgia possa ser realizada. Para que isso aconteça, o médico anestesista pode administrar um analgésico opióide para a abolição da dor.

Manutenção: Os medicamentos utilizados durante a fase de indução perdem o efeito no decorrer do procedimento cirúrgico, logo, faz-se necessário a administração da medicação por parte do anestesista de forma constante. A manutenção é feita de maneira moderada, sendo necessário se atentar à necessidade do paciente para evitar uma dosagem exagerada e os efeitos de uma anestesia excessivamente profunda que pode provocar hipotensão (pressão baixa).

Recuperação: No final do procedimento o anestesista começa a redução dos anestésicos administrados com o objetivo de acordar o paciente da anestesia. Nesta fase são administrados analgésicos para que o paciente acorde sem dores.

Possíveis efeitos colaterais

Os riscos da anestesia geral para um paciente saudável são muito raros uma vez que as complicações na maioria das vezes são oriundas de doenças prévias do paciente.

A DHMed fornece soluções altamente tecnológicas para um procedimento cirúrgico seguro. Fale com a nossa equipe e saiba quais são os equipamentos que temos disponíveis.

Clique aqui e solicite informações

Compartilhe em suas redes sociais!​